Homônimos, tenham pena de mim

A avó materna de Catarina tem um velho papagaio.  E Catarina, aos seis anos, acha aquilo maravilhoso.

Veio me dizer que era muito engraçado ver o papagaio andando pelo chão, se enrolando todo na correntinha que o prende pelo pé ao poleiro. Eu caí na besteira de argumentar se ela não achava triste o bichinho ficar preso, sem poder voar, a vida toda.

– Como assim? –  ela perguntou.

– Ele poderia estar voando, pelas árvores, livre na natureza. Você não tem pena do papagaio, não? – questionei.

– Ah, tenho sim. Muitas. Toda vez que cai uma pena, minha vó guarda pra mim.

Caímos na gargalhada.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

2 Respostas para “Homônimos, tenham pena de mim

  1. Guinho

    kkkkkkkkkkkkkk
    que figura!!!!

  2. Marco Saturnino

    Que bom ver que a inocência não morreu,rs.Lembro-me de como era aos seis anos e,certamente,eu é que arrancaria as penas do tal papagaio ao invés da minha avó.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s