A caligrafia do Aleluia

A imagem acima é mais do que simbólica. É a minha versão da obra Aleluia da banda Cascadura.

Vou explicar. Quando Fábio Cascadura veio me contar do novo disco (duplo) que estava gravando e me convidou para fazer a direção de arte, eu vi nas palavras dele a realização de uma ideia que já vinha sendo maturada há tempos. Mas não sabia como ela estava sendo realizada. Então, eu não tinha muita referência a não ser o painel grafitado por Izolag e Ananda e algumas incursões minhas ao estúdio de andre t, quando presenciei algumas sessões de gravação. Mas a ideia toda era para mim um grande rascunho.

Tempos depois a banda publicou a primeira música do disco, Colombo. Aquela rabeca (espécie de violino rústico medieval) que abre a canção foi o mote necessário para guiar parte do meu trabalho. O disco fala da cidade de Salvador, suas origens,  suas idiossincrasias. E assim seria difícil deixar de relatar a convivência entre o velho e o novo, a cidade histórica e a cidade moderna. Decidi, então, que trataria todo o texto dos disco, incluindo letras e fichas técnicas, da forma mais antiga que eu possuía: tinta e pena caligráfica de metal. Transcreveria todo o texto à mão. Os ajustes de imagem, a parte digital (não se pode mais fugir dela) e arte-final seriam feitas com outra caneta:  a da minha mesa digitalizadora.

E é isso: fiz a  foto para mostrar a pena caligráfica de metal, de raízes medievais (*) e a caneta digital, lado a lado. Ambas conviveram muito bem durante todo o trabalho. Nem sempre exatamente como eu queria. Nem sempre exatamente como (eu achava que) deveria ser, mas sempre deixando uma sensação de dever cumprido, de realização. E, confesso, apaixonei-me ao final. Assim como Salvador. Assim como o Aleluia.

.

(*) a pena feita de pena de animal mesmo data dos séculos 600-1700. As penas que usei, de metal, evoluídas a partir das primeiras, com pontas quadradas ou não, ganharam relevância no começo do século 19, com ranhuras e saliências que facilitaram o acúmulo de tinta em seus corpos metálicos, aumentando a duração e o comprimento do traço.

O disco Aleuia pode ser baixado gratuitamente aqui, com parte do material gráfico. O disco físico tem previsão de lançamento para julho de 2012.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s